Slow Fashion: o desafio da sustentabilidade

By  |  0 Comments

Slow Fashion não é a típica tendência de moda sazonal, é um movimento que está ganhando força e é provável que veio para ficar. Hoje a indústria mainstream da moda depende de produção globalizada, onde roupas são produzidas a partir da fase de concepção para o varejo em apenas algumas semanas. Com os varejistas que vendem as últimas tendências da moda a preços muito baixos, os consumidores são facilmente seduzidos a comprar mais do que precisam. Mas esse consumo excessivo vem com uma etiqueta de preço oculto, e é o meio ambiente e os trabalhadores na cadeia de abastecimento que pagam.

A indústria da moda está contribuindo para o desafio da sustentabilidade de hoje em diversas maneiras. Atualmente, usa um fluxo constante de recursos naturais para produzir peças de vestuário ‘fast fashion’. No modo de funcionamento, esta indústria está constantemente contribuindo para o esgotamento dos combustíveis fósseis, utilizados, por exemplo, na indústria têxtil, vestuário, produção e transporte. Reservatórios de água doce também estão sendo cada vez mais reduzidos para a irrigação do algodão nas safras. A indústria da moda também está lançando de forma sistemática, e em quantidades cada vez maiores, compostos artificiais como pesticidas e fibras sintéticas, o que aumenta a sua persistente presença na natureza.

slowfashionComo resultado, alguns recursos naturais estão em perigo e as florestas e os ecossistemas estão sendo danificados ou destruídos por coisas tais como a produção de fibras, levando a problemas como secas, desertificação e não menos importante, as alterações climáticas, que estão afetando a sociedade em geral.Para visualizar de forma simples o desafio da sustentabilidade da indústria da moda atual, a metáfora do funil é usado para demonstrar que, se o comportamento de consumo da indústria da moda, incluindo os consumidores, continuar aumentando no ritmo atual, o impacto sobre a ambiente social e ecológico também irá aumentar. Isto leva a um espaço de tempo muito limitado para a indústria lidar com esses impactos no futuro e resolver os problemas que a sociedade enfrenta hoje. Isto é simbolizado pelas paredes inclinadas do funil.

Usando esta metáfora, podemos tirar a conclusão de que, se não quer bater nas paredes de estreitamento do funil, temos que redesenhar as práticas insustentáveis ​​atuais na sociedade, incluindo a indústria da moda. Essa mudança, se alcançada, é provável que resulte em um retorno gradual ao equilíbrio, onde o comportamento social não estará em conflito com os recursos naturais, e a indústria da moda poderá continuar sem comprometer a saúde das pessoas e do nosso planeta.

Slow Fashion representa todas as coisas “eco”, “ética” e “verde” em um movimento unificado. Ele foi criado por Kate Fletcher, do Centro de Moda Sustentável, quando a moda foi comparada com a experiência Slow Food. Carl Honoré, autor do livro “In Praise of Slowness“, diz que a “abordagem lenta” intervém como um processo revolucionário no mundo contemporâneo, pois incentiva a tomada de tempo para garantir uma produção de qualidade, para dar valor ao produto, e contemplar a conexão com o meio ambiente.

tumblr_lys0yyhqhn1r66u52o1_400_0 lumaca

Por ser uma forma lenta a emergir como um modelo de moda sustentável, uma equipe de três pesquisadores do Mestrado em Liderança Estratégica para programa de Sustentabilidade na Suécia, recomendou que os valores do Slow Fashion fossem usados para guiar toda a cadeia de abastecimento. Eles olharam atentamente para as ações positivas que estavam acontecendo e também se voltou para as indústrias de alimentos, design e agricultura em busca de inspiração.

Esses valores não são destinados a ser uma resposta para toda a solução, mas podem estimular a criatividade e ser adaptado. Eles têm a intenção de desencadear uma conversa com os designers, fabricantes, varejistas e outros no movimento Slow Fashion sobre quem eles são, onde estão indo e como suas ações podem ter um impacto maior.

tumblr_lys1od7a7l1r66u52o1_400_0 tumblr_lys22oqiwm1r66u52o1_400_copy

1. Análise: os produtores adeptos ao Slow Fashion reconhecem que eles estão todos interligados ao sistema ambiental e social maior e tomam decisões em conformidade. Slow Fashion incentiva uma abordagem do pensamento sistêmico, porque reconhece que os impactos de nossas escolhas coletivas podem afetar o ambiente e as pessoas.

2. Retardar o consumo: Redução de matérias-primas, diminuindo a produção de moda pode permitir que as capacidades regenerativas da Terra a ter lugar. Isso vai aliviar a pressão sobre os ciclos naturais para produção de moda pode ser em um ritmo saudável, com o que a Terra pode oferecer.

3. Diversidade: produtores Slow Fashion se esforçam para manter a diversidade ecológica, social e cultural. A biodiversidade é importante porque oferece soluções para as mudanças climáticas e a degradação ambiental. Modelos de negócios diversificados e inovadores são incentivados, como designers independentes, feirinhas de moda, lojas incubadoras (onde abrigam e vendem produtos de novos estilistas), brechós, lojas que vendem peças de segunda mão ou vintage, ateliês e artesãos que produzem com materiais reciclados, lojas de aluguéis de roupa, clubes e oficinas de tricô local e eventos de doação ou troca de peças do vestuário são todos reconhecidos no movimento. Manter vivo os métodos tradicionais de confecção ou as técnicas artesanais de tingimento também dá vitalidade e significado para o produto e de como ele foi feito.

tumblr_lys26atbfw1r66u52o1_400_0 tumblr_lys17f6lx31r66u52o1_400_copy

4. Respeitando as pessoas: Participar em campanhas e códigos de conduta podem ajudar a garantir o tratamento justo dos trabalhadores. Algumas marcas aderiram a Asian Floor Wage Alliance, Ethical Trading Initiative, e a Fair Wear Foundation, entre outros. Confecções também estão apoiando as comunidades locais, oferecendo o desenvolvimento de habilidades e ajudando a negociar.

 5. Reconhecendo as necessidades humanas: Designers podem satisfazer as necessidades humanas através de co-criação de peças de vestuário e oferecendo moda com significado emocional. Ao contar a história por trás de uma peça de roupa ou convidando o cliente a fazer parte do processo de design, as necessidades de criatividade, identidade e participação pode ser satisfeita.

6. Construir relacionamentos: Colaboração e co-criação de garantir relações de confiança e duradouras que vão criar um movimento mais forte. Construir relacionamentos entre produtores e co-produtores é uma parte fundamental do movimento.

7. Desenvoltura: marcas Slow Fashion se concentram em usar materiais e recursos locais, quando possível e tentam apoiar o desenvolvimento de empresas e competências locais.

8. Manter a qualidade e beleza: Incentivar design clássico sobre as tendências futuras irá contribuir para a longevidade das roupas. Uma série de designers de moda podem assegur a longevidade de suas roupas com a terceirização de tecidos de alta qualidade, oferecendo cortes tradicionais e criar belas peças atemporais.

9. Rentabilidade: Produtores Slow Fahion precisam sustentar os lucros e aumentar a sua visibilidade no mercado para ser competitivo. Os preços são muitas vezes maior, porque eles incorporam recursos sustentáveis ​​e salários justos.

10. Consciência: Tomar decisões baseadas em paixões pessoais, a consciência da conexão com os outros e do meio ambiente, bem como a vontade de agir de forma responsável. Dentro do movimento Slow Fashion, muitas pessoas amam o que fazem, e aspiram a fazer a diferença no mundo de uma forma criativa e inovadora.

 

Fonte: Not just a Label

 

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *